Browsing Tag

sem glúten

Workshop

Alergia alimentar: um novo despertar

Estar trabalhando com famílias que apresentam alergia a proteína do leite – APLV, a glúten, castanhas, dentre outras restrições alimentares, orientando uma alimentação e estilo de vida saudável, me possibilitou observar que nesses casos as mudanças são muito mais rápidas e profundas. Apesar de todas as dificuldades e sofrimento por abandonar velhos hábitos e principalmente grande parte dos produtos industrializados, o bem estar do bebê e/ou criança é o que motiva esses pais a continuarem. O meu trabalho é tornar isso mais fácil para eles. Por isso, eu conduzi  uma roda de conversa com mais de 70 pessoas para compartilhar informações e dicas úteis a respeito desse assunto.

Dentre várias questões debatidas na roda, uma das que mais se destacou tratava do aumento do número de casos de alergias e intolerâncias alimentares.  Dentre as causas desse aumento,  estão o excesso de alimentos de má qualidade (processados e refinados), excesso de químicos, como metais pesados, poluentes e agrotóxicos, que danificam a superfície intestinal e a microbioma.

Sendo assim, a alergia aparente trouxe novo despertar para uma alimentação saudável. Depois do período inicial, em que de repente tudo está restrito, abre-se um novo mundo com comidas que não faziam parte da dieta e maneiras diferentes de preparar alimentos. Todas as mães que estavam presentes relataram que mesmo se a alergia melhorar no futuro, se sentem muito melhor agora e não querem voltar ao estilo de alimentação antigo, por preferir muito mais uma alimentação natural e integral.

agende (1)

“Mesmo que os meus 4 filhos não tenham mais alergia alimentar no futuro, eu jamais penso em voltar a me alimentar da forma que era antes”.

Para quem não participou da roda de conversa, vou dividir aqui as dicas principais:

  • Planejamento: ajuda a evitar problemas em viagens, festas e outras ocasiões. Muitas mães compartilharam que levam refeições feitas em casa congeladas para uma semana em uma caixa térmica para garantir a alimentação livre de alérgenos quando viajam.
  • Conscientização: foi o que Mariana, mãe do Douglas, ressaltou em seu depoimento. Douglas, pequeno grande guerreiro que conquistou uma batalha contra o autismo através de uma alimentação saudável e livre de alérgenos (para ele leite, glúten e soja) unida a atividade física, hoje leva uma vida normal. Para ela, o mais importante é explicar de maneira enfática a ele que aqueles alimentos não lhe fazem bem. Assim, ela se sente segura quando alguém lhe oferece algo, pois ele sempre pergunta quais ingredientes estão presentes no alimento e recusa se souber que contém algo que lhe faz mal. Clique aqui para saber mais sobre sua história.
  • Qualidade: optar por alimentos orgânicos e naturais, obtidos através de agricultura familiar em feiras, hortas caseiras, sítios etc. O contato direto com os produtores é importante para poder obter informações sobre o que está sendo utilizado no cultivo. Também é a melhor forma de evitar aditivos alimentares e outras substâncias químicas que podem intensificar o quadro de alergia.
  • Comunidade: participar de grupos, seja uma participação pessoal ou mesmo em redes sociais ou por whatsapp, é uma ferramenta que tem ajudado muito aquelas mães e pais que passam por isso. Compartilhe sua história e tenha alguém para conversar sobre o que está acontecendo, trocar informações é aprender.

dramarcellauliana_alergia_alimentar_infantil

Nós também tivemos a colaboração de vários parceiros, que estão tornando as vidas de quem vive com alguma restrição alimentar mais fácil com produtos saudáveis e livres de alérgenos. Segue aqui a lista dos participantes:

Como tivemos muita procura nessa primeira roda, estamos organizando a próxima para o ano que vem.  Se você tiver interesse em realizar uma roda de conversa em sua escola, trabalho ou até mesmo em casa, entre em contato por aqui para mais informações.

Espero que esse post tenha ajudado, afinal, não é fácil viver com restrições! E você? Tem alguma alergia ou intolerância? Compartilhe aqui sua experiência e dicas preferidas!

 

 

Receitas

wraps mexicanos de vegetais sem glúten e o alimento mais contaminado

As receitas que mais tem feito sucesso aqui no blog são aquelas super rápidas, como o penne de espinafre e shitake com creme de castanha de caju e o mexido de arroz, feijão e tofu . Então, atendendo a pedidos hoje vou postar mais uma que preenche esse e outros pré-requisitos: deliciosa, rápida e nutritiva. Esses burritos mexicanos veganos e sem glúten são uma delícia e tem um recheio que vocês vão adorar! Arroz e feijão – de ontem e requentados juntos na mesma panela, porque é mais prático – com molho de tomate e milho, que dão um frescor ao prato, combinam perfeitamente com um pouco de suco de limão espremido na hora e ficam prontos em 20 minutos.

Se comida mexicana é familiar para você, a primeira coisa que vem a cabeça são as tortilhas de trigo, que apesar de magníficas, contém glúten.  Para aumentar o valor nutricional e incrementar esse prato com mais verde, ao invés das tortilhas, usei folhas de alface orgânicas super crocantes – por isso, mesmo que você tenha sensibilidade ou intolerância a glúten – será possível devorá-las também! Faz um pouco mais de bagunça na hora de comer, o que apenas deixa a refeição mais divertida!

Nessa receita, se possível, é importante usar tomates e pimentões orgânicos, já que estes estão entre os top 5 alimentos mais contaminados com agrotóxicos. Dentre os 18 alimentos analisados pelo Programa de Análises de Resíduos de Agrotóxicos de Alimentos, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o pimentão foi o grande vilão, sendo que 91,7 % das amostras estavam contaminadas ou com excesso de agrotóxicos ( mais do que a Anvisa permite) ou continham agrotóxicos que não são permitidos aqui no Brasil e entram clandestinamente.

Além disso, os orgânicos tem um sabor muito mais intenso, natural e gostoso que deixa sua refeição em um patamar superior. Eu também uso o milho que eu cozinho em casa, porque as opções enlatadas geralmente são cheias de conservantes e aditivos químicos. Contudo, se esta for a única opção disponível no momento, também funcionam bem na receita. Você também pode usar este recheio na receita clássica, é claro, em uma tortilha de trigo se preferir ou também fica uma delícia para rechear uma tapioca.

dramarcellauliana-burritos-alface-arroz-feijao-tomate-milho-4-2

Ingredientes

Serve 4 porções

1 cabeça de alface lisa ou americana

2 xícaras de arroz integral cozido

2 xícaras de feijão cozido

2 tomates médios picados

1 pimentão verde

1 xícara de grãos de milho cozidos

1 cebola branca ou roxa picada

1 limão

2 colheres de sopa de azeite de oliva

1 pitada de pimenta chilli ou pimenta reino

1/4 colher de chá de sal marinho

 

Adicionais:

rúcula

guacamole

 

Instruções:

1- Lave as folhas de alface e reserve;

2- Leve uma panela média ao fogo e adicione uma colher de sopa de azeite, e depois o arroz e feijão e 1 ou 2 colheres de sopa de água para umedecer a mistura e mexa até combinarem bem. Quando estiver quente, desligue o fogo e reserve.

3- Leve uma frigideira ao fogo e adicione o azeite. Refogue a cebola e o pimentão por aproximadamente um minuto, adicione os tomates, milho,  pimenta e o sal. Mexa até os vegetais estarem macios e suculentos e desligue o fogo.

4- Para montar, disponha em um prato 2 ou 3 folhas de alface dependendo do tamanho de cada uma, e em seguida coloque 3 colheres de arroz e feijão, depois o molho de tomate e milho e o suco de limão espremido na hora, a gosto e finalize com a rúcula ou guacamole, se estiver usando algum adicional. Enrole as laterais da folha, dobre o talo no sentido superior para dar mais firmeza (parte inferior para cima) e deguste logo em seguida!

Divirta-se!

Gostou? Compartilhe!

 

 

Receitas

sorvete tropical de coco, manga e chia

Congelar frutas é a melhor maneira de sempre ter uma opção disponível em casa para um smoothie ou um sorvete, principalmente quando você não teve tempo de ir ao mercado ou à feira. Eu sempre corto em fatias e congelo as bananas quando elas já estão começando a ficar mais escuras (quanto mais escura mais doce) e uso no meu smoothie matinal. Eu também congelo morango, amora, abacaxi, manga e mamão. Assim, quando eu acho que não dou conta de comer as frutas e elas vão estragar, acabo evitando desperdício e economizando dinheiro com praticidade.

Essa receita é uma das melhores coisas que eu comi nas últimas semanas e é muito fácil. É  refrescante, super cremosa, e o doce da banana batida com leite coco combina perfeitamente com o sabor tropical da manga. Pode ser servida como sobremesa ou, como um café da manhã ou lanche da tarde.

É feita com chia, um superalimento que é ótima fonte de fibras e que tem a capacidade de aumentar 10 vezes seu tamanho quando absorve líquidos, causando saciedade por mais tempo, além de ser uma proteína completa, essencial para deixar os cabelos e unhas mais fortes. Eu coloquei goji berry, uma fruta nativa da Ásia que é usada há mais de 6.000 anos pela Medicina Chinesa por ser muito rica em vitamina C e outros antioxidantes que ajudam a lutar contra o cancer e que tem demonstrado auxiliar na perda de peso.

 

Sorvete tropical de coco, manga e chiasorvete tropical pinterest

vegana/sem lactose/sem glúten

 

Ingredientes

200 ml leite de coco

3 colheres de sopa de chia

1 1/2 xícara de banana congelada (aproximadamente 1/2 banana por pessoa)

1 colher de chá de extrato natural de baunilha ou fava (opcional)

1 colher de melado de cana (ou: mel, agave, stevia)

1 manga cortada em cubos

 

Coberturas opcionais:

Goji berries

Sementes de linhaça

Maple syrup

dramarcellauliana-creme-gelado-coco-manga-chia-4

Preparo:

1- Coloque o leite de coco em uma tigela pequena e adicione a chia. Deixe repousar por 5 minutos, adicione o melado e a baunilha se estiver usando e mexa até misturar bem;

2- Coloque a banana congelada em um processador de alimentos ou liquidificador, adicione o creme de leite de côco-chia (reserve meia xícara da mistura para usar depois) e bata até virar um creme, com textura de sorvete. Isso pode levar alguns minutos. Pode ser necessário desligar o processador e mexer algumas vezes;

3- Adicione creme de leite de coco-chia em 4 recipientes pequenos como os da foto ou em uma maior para fazer uma porção única. Depois coloque o sorvete e a manga. Finalize com um punhado de sementes de linhaça, goji berries secas e um toque de maple syrup ou mel se estiver usando;

4- Sirva imediatamente.

Serve 4 porções.

 

 

Fotos: Paulo Resende

Receitas

Arroz vermelho com leite de coco e shimeji

Essa receita é deliciosa, simples, nutritiva, e por isso é ótima para fazer quando receber amigos em casa (se você contar que é vegana e sem glúten eles não vão acreditar). Eu adoro a culinária baiana, e acho a combinação de leite de coco com coentro perfeita, já que é levemente doce, fresca e super cremosa. A primeira vez que eu fiz essa receita Continue Reading

Artigos, Dicas

DESCUBRA 9 PASSOS SIMPLES PARA SUPERAR AS FÉRIAS

Às vezes nos encontramos em situações difíceis, quando não temos acesso fácil a alimentos saudáveis​​, seja em reuniões familiares, viagens ou festas, já que infelizmente ainda não podemos encontrar suco verde e salada de quinoa em qualquer lugar, e acabamos comendo “o que tem”. Enquanto eu estive viajando no último mês pelo Marrocos, conheci uma pessoa, que se tornou grande amiga, e que estava sofrendo durante a viagem por não ter opções de alimentos sem glúten. Logo após reintroduzir o glúten na alimentação, começou a sentir desconfortos intestinais como constipação, inchaço e gases. Felizmente, ontem ela me escreveu contando que havia voltado a sua dieta habitual e que estava MUITO feliz (sim, muito em caixa alta).

Assim, ficou claro mais uma vez a relação entre o que comemos e a maneira como nos sentimos. Alimentação tem um grande impacto no nosso humor e quando comemos alimentos leves, frescos e naturais, é assim que nos sentimos. Por isso é tão importante escolher os alimentos certos para você. Todos somos diferentes, por isso não há uma dieta ideal que para todo mundo. Então, para eliminar aqueles quilinhos a mais adquiridos nas férias, ter uma pele viçosa, se sentir com mais energia e mais feliz, aqui estão algumas dicas para todos que estiveram em férias, viagens, festas ou simplesmente deseja incluir novos hábitos saudáveis ​​em sua rotina.

  • Beba água. Nenhum outro líquido é como a água. É o componente que está presente em maior quantidade em nosso corpo, sendo que compõe 75% do peso cerebral. Desidratação leve pode causar cefaléia, fadiga,dores nas costas, constipação, pele ressecada, artrite, entre outros. Beba água sempre que tiver sede e esqueça os refrigerantes (mesmo os zero) e sucos de caixinha. Em média, um adulto necessita de 2 a 3 litros (aproximadamente 10 a 12 copos) de água por dia, mas isso varia de acordo com vários fatores como idade, temperatura ambiente e corporal, alimentação e atividade física. Água natural é a melhor escolha. Se você busca uma saúde de qualidade a longo prazo, faça da água uma prioridade e um hábito em sua vida.
  • Tome chá verde – O chá verde é uma bebida milenar fabulosa que facilita a queima de gordura através da termogênese e é rico em antioxidantes polifenóis que combatem poderosamente os radicais livres retardando o envelhecimento. Por conter uma pequena quantidade de cafeína aumenta a energia e promove foco mental, e como contém a L-theanina, um aminoácido que promove relaxamento, diminui a ansiedade e tem um efeito calmante (ansiedade é um efeito colateral comum em pessoas que consomem café). Ainda, estudos demonstram que indivíduos que tomaram 5 ou mais xícaras de chá verde por dia tiveram menos risco de hipertensão arterial e diabetes. Inicie tomando uma xícara de chá ao dia e vá aumentando de acordo com o que seu corpo pedir.
  • Suco verde – Intencione beber um copo de suco verde por 7 dias. Pode ser de manhã, a tarde  ou a noite. Depois disso, os benefícios serão tantos que você não vai querer parar. Se você não sabe por onde começar, clique aqui.
  • Evite alimentos processados, que contém compostos químicos prejudiciais a saúde como o monoglutamato de sódio, gorduras trans, adoçantes artificiais e açúcar. Isso é facilmente realizado evitando-se comer produtos que vem em pacotes e que tem uma lista muita longa de ingredientes. Escolha produtos in natura, que podem ser comidos como a mãe natureza nos apresentou. Qual foi a última vez que você viu uma lista de ingredientes numa maçã?
  • Aumente a ingestão de verduras. Verduras fortalecem o sangue e o sistema respiratório. Quando você nutre-se com verduras, irá naturalmente eliminar os alimentos que lhe deixam doente. Folhas verdes também são alimentos altamente alcalinos. Minerais alcalinos neutralizam condições acidificantes no nosso corpo causadas pelo ambiente. Vegetais verdes ajudam a reabastecer os depósitos corporais de minerais alcalinos e filtram poluentes. Nutricionalmente, verduras são muito ricas em cálcio, magnésio, ferro, potássio, fósforo, zinco e vitaminas A, C, E e K. São carregadas de fibras, ácido fólico, clorofila e muitos outros micronutrientes e fitoquímicos. Apesar de se recomendar escolher orgânico, comer verduras não orgânicas é preferível a não comer nenhuma verdura.
  • Reduza o consumo de carnes e principalmente embutidos, como peito de peru, salames, presuntos, etc. Esses produtos contém substâncias extremamente maléficas como nitrosaminas e altas quantidades de sódio. que sobrecarregam seu organismo e são comprovadamente causadoras de câncer e diabetes mellitus tipo 2.
  • Exercite-se. Assim como certos alimentos nos protegem de doenças cardíacas, câncer e diabetes, atividade física regular é importantísimo para promover uma boa saúde. Sem exercício, é difícil chegar ao seu potencial físico e mental e alcançar bem-estar geral. Exercitar-se meia hora por dia melhora a qualidade do sono, age no controle de peso, melhora a flexibiliade e aumenta o trânsito intestinal. Encontre um parceiro para caminhar, faça uma aula de yoga, natação, ande de bicicleta, o que você preferir para se manter ativo.
  • Durma bem. Pessoas que dormem menos de 6 horas por noite tem maior chance de apresentar sobrepeso e obesidade. Um grande estudo de 87.000 adultos norte-americanos , realizado pelo Centro Nacional de Estatísticas de Saúde , demonstrou que a taxa de obesidade foi maior, em 33 por cento, entre aqueles que dormiam menos de seis horas e menor, de 22 por cento, entre aqueles que dormiam sete a oito horas uma noite . Isso era verdade, tanto para homens e mulheres, independentemente da idade.

Se uma boa noite de sono está longe da sua realidade, um dos melhores e mais simples remédios: Evite tanto cafeína como o álcool, especialmente nas últimas quatro horas do dia. Apague as luzes da casa. Não olhe para as telas brilhantes – incluindo as de smartphones cada vez mais sedutores – nas horas finais antes de ir para a cama. A leitura na tela do computador ou tablet, duas horas antes de dormir pode atrasar o seu sono por cerca de uma hora!

Este é um guia para você incorporar hábitos saudáveis em sua rotina. Para começar, escolha uma ou todas as dicas acima, no seu ritmo. É muito importante determinação e comprometimento. Uma vida saudável não é um objetivo, e sim um caminho para uma vida melhor.

Vou adorar saber o que você achou, escreva nos comentários ou envie por email.

 

Serafini, M., A. Ghiselli, and A. Ferro-Luzzi. “In vivo antioxidant effect of green and black tea in man.” European journal of clinical nutrition 50, no. 1 (1996): 28-32.

Wolfram, Swen. “Effects of green tea and EGCG on cardiovascular and metabolic health.” Journal of the American College of Nutrition 26, no. 4 (2007): 373S-388S.

Juneja, Lekh Raj, Djong-Chi Chu, Tsutomu Okubo, Yukiko Nagato, and Hidehiko Yokogoshi. “L-theanine—a unique amino acid of green tea and its relaxation effect in humans.” Trends in Food Science & Technology 10, no. 6 (1999): 199-204.

Dulloo, Abdul G., Claudette Duret, Dorothée Rohrer, Lucien Girardier, Nouri Mensi, Marc Fathi, Philippe Chantre, and Jacques Vandermander. “Efficacy of a green tea extract rich in catechin polyphenols and caffeine in increasing 24-h energy expenditure and fat oxidation in humans.” The American journal of clinical nutrition70, no. 6 (1999): 1040-1045.

Hooda J., Shah A., Zhang Li.” Heme, an Essential Nutrient from Dietary Proteins, Critically Impacts Diverse Physiological and Pathological Processes.”Nutrients 2014, 6, 1080-1102; doi:10.3390/nu6031080

Girardin Jean-Louis, Natasha J Williams, Daniel Sarpong, Abhishek Pandey, Shawn Youngstedt, Ferdinand Zizi and Gbenga Ogedegbe Associations between inadequate sleep and obesity in the US adult population: analysis of the national health interview survey (1977–2009) BMC Public Health 2014, 14:290