Artigos

O que é medicina funcional?

Atualmente estamos vivendo uma epidemia de doenças crônicas, como a hipertensão arterial, diabetes, obesidade, doenças cardíacas, distúrbios hormonais, e demência. Todas estas doenças são fortemente influenciados pela dieta, estilo de vida, meio ambiente, e genética e são adquiridas ao longo de vários anos, silenciosamente, e não de uma hora para outra.  

Infelizmente, a medicina convencional, também conhecida como a medicina ocidental, não tem evoluído em sua abordagem no que diz respeito a esses fatores de risco. É absolutamente ótima no momento do diagnóstico – o que significa dar um nome a um problema – e no tratamento de sintomas agudos. Porém, a longo prazo se restringe ao uso de medicamentos que melhoram pouco ou quase nada determinada condição, e que em troca causam uma vasta gama de efeitos colaterais.

A medicina funcional pergunta por que as coisas deram errado. Por que você sente queimação depois de comer? Por que você está constipado? Por que você está deprimido?  Não é baseada apenas no diagnóstico em si. Independente de ter um diagnóstico de gastrite, depressão, ou qualquer outra doença, nós queremos saber o que aconteceu errado que ocasionou esses desequilíbrios e como corrigi-los.

Por exemplo, imagine que você está usando um sapato 3 números menores que seu pé e então foi diagnosticado com “dor no pé”. A medicina convencional irá prescrever um analgésico para anestesiar a dor. Usando medicina funcional, nós vamos tirar o sapato e descobrir o tamanho certo.

Essa abordagem abrangente possibilita uma compreensão dos sintomas e de como tudo está conectado. Por exemplo, se alguém está constipado, ansioso e não consegue dormir, sob uma abordagem médica tradicional, pode ser prescrito um laxante, um ansiolítico e um remédio para dormir. A medicina funcional reconhece que todos estes sintomas partilham uma necessidade bioquímica de magnésio. A solução pode ser tão simples como adicionar mais magnésio na dieta. Ou não…

Sob o paradigma da medicina funcional, determinamos os desequilíbrios através de reconhecimento de padrões, ouvindo atentamente a história do paciente e realizando testes laboratoriais. Investigamos vários fatores, incluindo:

Fatores ambientais – o ar que respiramos, a água que bebemos, a comida que você come, a qualidade dos alimentos disponíveis, o nível de exercício físico, exposições tóxicas ou traumas – tudo isso afeta a sua saúde.

Elementos mente-corpo – o psicológico, espiritual e também os fatores sociais todos podem ter uma profunda influência sobre sua saúde. Considerar todas essas áreas nos ajuda a avaliar a sua saúde como uma pessoa inteira, não apenas em termos de seus sintomas físicos.

Composição genética – Apesar de genes individuais poderem tornar mais suscetível a algumas doenças, o seu DNA não é um plano imutável para a sua vida. As pesquisas mostram que os genes podem ser influenciados por tudo em seu ambiente, bem como suas experiências, atitudes e crenças. Isso significa que é possível alterar a forma como os genes são ativados e expressos, como interruptores que ligam e desligam a doença. Leia mais aqui.

Através desta avaliação funcional, somos capazes de entender como chave de processos bioquímicos são afetados e por que você tem seus sintomas. A medicina funcional ajuda a desmistificar se o que tem acontecido a você é bioquímico, emocional ou energético.

Tem interesse em saber mais? Clique aqui e agende uma avaliação inicial para descobrir como essa abordagem pode lhe ajudar a recuperar sua saúde!

 Qual é a sua história? Alguma vez você já sentiu que foi reduzid@ a um sintoma ou a um diagnóstico e não conseguiu resolver seu problema? Conte-me nos comentários abaixo ou envie um email. Vou adorar saber mais sobre você!

Gostou? Compartilhe!!!

Previous Post Next Post

You Might Also Like

1 Comentário

  • Reply Gabriel Schmidt 12/09/2016 at 13:38

    Eu sou pai de uma mocinha de 2 anos e 7 meses. O que mais vejo acontecer entre os pediatras pelos quais passamos é exatamente a prescrição de remédios. Será que seria esse mesmo o caminho? Acredito que não…

  • Enviar comentário